..de manhã quando cheguei via-te assim!



Ao fundo a Serra da Estrela coberta pelo branco manto de neve fez-nos recordar o poema de Augusto Gil: A Balada da Neve. Deixamos alguns versos:

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho…

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía .../...

Desafio:
Envia-nos fotografias e poemas relacionados com a neve. Nós publicamos.

Comentários

Anónimo disse…
Bonita imagem da nossa ESCOLA com fundo branquinho.E o poema que aprendi na primária trazem boas recordações!

Mensagens populares deste blogue

A importância de ciência no mundo atual