O Poeta é um Fingidor [3]


Nasceu em Leiria em 1878 e dela conservou a imagem dum local inserido numa paisagem bucólica e romântica desenha pelos meandros do rio Lis. Ainda assim, são as paisagens de S. Pedro de Moel a grande fonte de inspiração. Com as conchas e os búzios recolhidos na praia construiu um órgão onde procurava ouvir a música das sereias.
Falamos de Afonso Lopes Vieira pioneiro na fotografia e no cinema e escritor de eleição.
O livro Para Quê? marca a sua estreia poética e com ele inicia um período de intensa actividade literária onde as crianças não foram esquecidas:


CAVALEIRO DO CAVALO DE PAU


Vai a galope o cavaleiro e sem cessar
Galopando no ar sem mudar de lugar.

E galopa e galopa e galopa, parado,
E galopa sem fim nas tábuas do sobrado.

Oh!, que brabo corcel, que doídas galopadas,
– Crinas de estopa ao vento e as narinas pintadas!

Em curvas pelo ar, em velozes carreiras,
O cavalo de pau é o terror das cadeiras!

E o cavaleiro nunca muda de lugar,
A galopar, a galopar a galopar!…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de ciência no mundo atual