30 de setembro de 2009

28 de setembro de 2009

Outubro ...Bibliotecas Escolares


Outubro é o mês Internacional das Bibliotecas Escolares. Este ano as actividades decorrem sob o tema: " School Libraries: The Big Picture".

A biblioteca está a preparar algo especial para o dia 26.
Fica atento. Daremos notícias.

24 de setembro de 2009

Dia Europeu das Línguas


O Dia Europeu das Línguas foi criado durante o Ano Internacional das Línguas, em 2001.
Todos os anos, o dia 26 de Setembro passou a ser uma forma de juntar as pessoas, através da Europa inteira, na celebração da diversidade linguística, riqueza inestimável da Humanidade.
O Departamento de Línguas da Escola Secundária do Fundão vai comemorar este evento com uma exposição alusiva à importância das línguas, no átrio da entrada.

Gosto de dizer. Direi melhor: gosto de palavrar. As palavras são para mim corpos tocáveis, sereias visíveis, sensualidades incorporadas. Talvez porque a sensualidade real não tem para mim interesse de nenhuma espécie - nem sequer mental ou de sonho -, transmudou-se-me o desejo para aquilo que em mim cria ritmos verbais, ou os escuta de outros. Estremeço se dizem bem. Tal página de Fialho, tal página de Chateaubriand, fazem formigar toda a minha vida em todas as veias, fazem-me raivar tremulamente quieto de um prazer inatingível que estou tendo. Tal página, até, de Vieira, na sua fria perfeição de engenharia sintáctica, me faz tremer como um ramo ao vento, num delírio passivo de coisa movida.
["Livro do Desassossego", por Bernardo Soares. Vol. I, Fernando Pessoa.]

21 de setembro de 2009

Um livro…um bom amigo [1]


O autor da Peregrinação, Fernão Mendes Pinto, depois de andar mais de vinte anos pela Ásia, como soldado, negociante, pedinte, embaixador, cortesão, jesuíta, pirata, «treze vezes cativo, dezassete vendido», pega na pena e escreve este fabuloso livro de aventuras.
Entre a memória e a fantasia escreve acerca dos bons e aventurosos tempos.
Dificilmente se conseguirá afastar o trocadilho que alguns fizeram com o seu nome conotando-o como alguém impostor: “Fernão, Mentes? Minto.”;

mas recentes investigações, alguns textos japoneses e cartas dos missionários dão credibilidade ao narrado na Peregrinação.
Hoje divulgamos uma adaptação da autoria de Aquilino Ribeiro.
Leva-o contigo um dia destes.

18 de setembro de 2009

Jogar e aprender ...

Este CDROM concebido numa lógica de jogo interactivo aborda os conceitos relacionados com a prevenção de lesões músculo-esqueléticas.


Com ele somos chamados a aprender alguns gestos seguros, a testar os nossos conhecimentos a partir de situações de risco e a prevenir acidentes.
No início do jogo é fornecida alguma informação sobre biomecânica da coluna vertebral; durante a apresentação podemos ter de intervir de forma activa e no final seremos convidados a responder a algumas questões que nos possibilitarão aceder a níveis superiores.

Em especial os alunos de HSST têm aqui um excelente documento de trabalho.
Experimentem, aqui na BECA.

13 de setembro de 2009

No regresso às aulas ... o regresso de Jorge de Sena

Ode para o Futuro

Falareis de nós como de um sonho.
Crepúsculo dourado. Frases calmas.
Gestos vagarosos. Música suave.
Pensamento arguto. Subtis sorrisos.
Paisagens deslizando na distância.
Éramos livres. Falávamos, sabíamos,
e amávamos serena e docemente.

Uma angústia delida, melancólica,
sobre ela sonhareis.

E as tempestades, as desordens, gritos,
violência, escárnio, confusão odienta,
primaveras morrendo ignoradas
nas encostas vizinhas, as prisões,
as mortes, o amor vendido,
as lágrimas e as lutas,
o desespero da vida que nos roubam
- apenas uma angústia melancólica,
sobre a qual sonhareis a idade de oiro.

E, em segredo, saudosos, enlevados,
falareis de nós - de nós! - como de um sonho.


É hoje considerado um dos grandes poetas de língua portuguesa e uma das figuras centrais da cultura do século XX: Jorge de Sena.
50 anos depois de ter saído de Portugal por razões políticas os seus restos mortais [morreu há 31 anos] foram trasladados para um jazigo no cemitério dos Prazeres, em Lisboa.
A relação de Jorge de Sena com Portugal [ou pelo menos com a intelectualidade portuguesa] nunca foi fácil e basta recordar o poema: “Esta é a ditosa pátria minha amada. Não. /Nem é ditosa, porque o não merece. / Nem minha amada, porque é só madrasta/ Nem pátria minha, porque eu não mereço/a pouca sorte de ter nascido nela. //”.
Ainda assim, este escritor português (1919-1978), poeta, ficcionista, dramaturgo e ensaísta, deixou-nos uma obra vasta e multifacetada e marcada pela reflexão humanista acerca da liberdade e merece que Portugal o receba pois, em acordo com (Queiroz, 2006) a liberdade e a verdade só foram encontrados nos seus exílios “… Múltiplos e eternos. Como homem, em desalinho com seu tempo; como português, em desacordo com o salazarismo. Em Portugal, no Brasil ou nos Estados Unidos, foi sempre escritor português, ainda que cidadão brasileiro e professor norte-americano. Era de Portugal e a Portugal escrevia; e, sobretudo, era Portugal o que perseguia.”

Ajuda - construção de resumos

Mapa de conceitos - Guião para construção [dez 2015]

Apoio à literacia [revisto em setembro 2015]