Ventos fortes ajudaram Moisés?



A Bíblia está repleta de narrações de acontecimentos que transcendem a capacidade da intervenção humana. O caso da libertação do povo israelita, da escravidão do Egipto, que Moisés conduziu através do deserto e que culminou com a passagem através do mar Vermelho, afastadas que foram as águas, é uma delas.
Há alguns anos atrás o matemático russo Naum Wolzinger afirmava ter descoberto a explicação da separação das águas do mar avançando com uma teoria que implicava a existência de uma maré provocada por um vento muito forte e conjugada com o facto de haver um recife a cerca de sete metros de profundidade, na zona que os textos bíblicos referem como sendo a da travessia.
Agora surge a notícia dando conta que dois pesquisadores americanos acreditam ter descoberto o local onde Moisés teria dividido as águas do Mar Vermelho, há cerca de 3.000 anos atrás, e também como ele o teria conseguido: com a ajuda do vento.
Carl Drews, do Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas, principal autor do estudo, e o oceanógrafo Weiqing Han, da Universidade do Colorado, descobriram que, quando o vento sopra a uma velocidade superior a 100 km/h, entre 8 a 12 horas, pode empurrar a água até cerca de dois metros de profundidade, abrindo uma passagem e permitindo deste modo a travessia do mar. Com o abrandamento do vento a água cobre novamente o recife e provoca uma forte ondulação como descrito na passagem bíblica.
Ainda assim, há que respeitar todos os que aceitam haver intervenção divina no acontecimento.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de ciência no mundo atual